Como controlar o que seu cérebro pensa sem o seu consentimento

Não sei você já percebeu, mas nosso cérebro pensa em muitas coisas sem que você o tenha solicitado a pensar.

Parece estranha essa afirmação? Então você ainda não percebeu que isso de fato acontece.

Essa é uma das teses por trás do livro “Rápido e Devagar” do psicólogo e prêmio Nobel de economia Daniel Kahneman.

Coincidentemente a mesma tese está presente em outras obras de autores que seguem pelo caminho espiritual e não estritamente científico, como Eckhart Tolle, autor de “O Poder do Agora”.

A questão é que nosso cérebro tenta padronizar ao máximo suas atividades, para consumir o mínimo de energia, porém com isso acaba ficando “preguiçoso” e, muitas vezes, “preconceituoso”, em um sentido amplo de ambos os conceitos.

Ou seja, o cérebro está sempre tentando resolver novos problemas com velhas fórmulas, baseadas e situações semelhantes por que já passamos.

O esforço do aprendizado é sempre muito grande, por isso essa tentativa de economizar energia.

Lembra-se se quando você aprendeu a dirigir, como era difícil e você precisava de grande concentração? E hoje em dia, você nem pensa mais a respeito, não é? Dirige no “automático” e consegue pensar em várias outras coisas enquanto dirige.

Essa mesma lógica vale para tudo que vivenciamos, sendo que a priori tentamos enquadrar todas as novas situações em modelos mentais já usados no passado. Isso tudo para facilitar e economizar energia. Esse é o pensar “rápido”.

Já o pensar “devagar” exige um esforço muito maior, pois efetivamente demora mais tempo e exige uma grande disciplina de nossa parte.

Uma forma de perceber que estamos no modo “rápido” quando deveríamos estar no modo “devagar” é um certo incômodo que sentimos, uma reação de mal estar que temos em relação ao nosso pensamento.

É uma nessa hora que precisamos controlar nossas reações e acionar o cérebro propositadamente para que o mesmo “pense devagar” a respeito de suas reações imediatas.

Idealmente o cérebro deveria ser acionado apenas por nossa demanda direta mas, para facilitar nossa vida cotidiana, ele muitas vezes reage de forma autônoma, o que nem sempre é bom para nós mesmos.

Até o momento, as formas mais interessantes que descobri de aumentar minha capacidade de controle do cérebro são a meditação e o jejum. Não sei se existem outras, mas essas duas têm sido bastante efetivas em reduzir minhas reações automáticas a questões que deveriam ser tratadas pelo modo “devagar” e não pelo “rápido”.

Obviamente para identificar quais questões são essas é necessário estar no modo “devagar”, já que o modo rápido tende a achar que pode resolver tudo sozinho. A meditação e o jejum nos ajudam a induzir o modo “devagar”.

É um desafio e tanto.

No fim podemos chamar todo esse processo de controle da mente, onde desconfiamos ativamente de nossas primeiras reações e não deixamos que a mente “sequestre” nossos pensamentos e sentimentos, passando a estar mais atentos ao sequestro automático.

Dessa forma, colocamos nossa mente para trabalhar mais profundamente nas questões a serem resolvidas em vez de acreditarmos em sua resposta imediata.

Victor Sebastian é Coach de Vida e Carreira.

Entre em contato e marque uma avaliação grátis.

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s